No post anterior falamos sobre as diferenças entre um chargeback e um reembolso, além dos motivos que podem gerar suas ocorrências. Agora, vamos falar sobre o funcionamento do ecossistema de pagamentos e como calcular o índice de chargeback do seu estabelecimento.

Tenha em mente que o chargeback é um estorno que é feito de maneira não amigável, isto é, quando o consumidor comunica a desistência de uma compra diretamente com o banco.

E quais são os participantes desse processo? São eles: os facilitadores de pagamento, credenciadores, bandeiras, banco e por último a empresa que fez a venda, isso mesmo, o estabelecimento acaba sendo o último a saber que todo esse processo foi iniciado.

As bandeiras têm um papel importante que garante o melhor funcionamento do Sistema de Pagamentos Brasileiro, o SPB, sendo as responsáveis pelos procedimentos alinhados com a direção do Banco Central e por um conjunto de regras que regulam o restante dos participantes.

Dentre todos os indicadores operacionais analisados pelas bandeiras, o índice de chargeback dos estabelecimentos é um dos principais. Coberto por regras rigorosas que todos os participantes, inclusive os estabelecimentos, devem seguir, esse índice está presente em diversos regulamentos.

As bandeiras calculam o índice pela quantidade de chargebacks ocorridos em um período dividindo pela quantidade total de vendas aprovadas no cartão. (Podem haver pequenas diferenças de cálculo entre as bandeiras, mas de maneira simplificada todas têm o mesmo processo).

Cálculo de índice de chargeback:

Imagine então que o seu estabelecimento vendeu 1.000 produtos no mês de julho e tenha tido 5 chargebacks nesse mesmo mês, o seu índice terá o valor de 0,5%

Vendas aprovadas = 1000

Chargebacks = 5

1000/5 = 0,5% de índice de chargeback

De quanto é um índice aceitável de chargeback e porque ele é importante?

As bandeiras recomendam em seus regulamentos que o índice de chargeback não passe de 1%. Se por acaso o índice do seu estabelecimento se mantiver acima de 1% por alguns meses seguidos, as Bandeiras poderão barrar a operação de qualquer participante do ecossistema de pagamentos, até mesmo o seu estabelecimento! Esse é o um dos grandes motivos de você precisar se precaver em relação ao número de chargebacks que ocorrem com a sua empresa.

Chargeback, contudo, não é um vilão!

Esse tipo de reembolso pode ser visto com maus olhos pelos empreendedores, principalmente aqueles que têm suas operações barradas por conta de um índice alto, mas se pensarmos bem ele exerce uma função importante de proteção ao consumidor. Sem que ele existisse, muito provavelmente, o número de fraude nas compras online seria ainda maior do que é hoje, o que poderia ter como consequência a inviabilidade de um mercado de vendas online, ou seja, do seu negócio online existir!

No próximo post falaremos de medidas que te auxiliarão a manter o seu índice de chargeback baixo e sua operação ocorrendo normalmente. Se você acha que ainda precisa saber mais sobre o conceito de chargeback indicamos que leia este outro post clicando aqui.